sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Nossos pais

Quem me encaminhou estas tirinhas foi o Marcos Moutinho. Acho muito importante me referir àqueles que colaboram com meu/nosso crescimento. Afinal, são instrumentos da vida e merecem ser citados como protagonistas deste blog...


Infelizmente nada sei dizer sobre a autoria destas inspiradas imagens e do texto. Se alguém souber, por favor me informe.


As tirinhas me encheram de ternura, pois minha mãe está com seus 66 68 anos de muito empenho, esforço, dedicação e enfrentamento de grandes desafios. Se hoje me considero uma mulher forte, muito devo a ela, que me ensinou a enfrentar as tempestades com firmeza e fé. Agora ela é uma simpática senhora que se defronta com os esquecimentos, a lentidão, a resistência a novidades, o cansaço. E eu vivo o desafio de compreender e aceitar seus limites. Temos a fantasia de que nossos pais são eternos heróis, para os quais o tempo não passa. Serão jovens e fortes eternamente. Mas não é assim a realidade, não é mesmo? E ela dói.


Fiquem, então, com a delicada percepção deste autor, por ora, desconhecido. Sou grata a ele.




Quando você era bem pequeno (a)...



eles gastavam horas lhe ensinando a usar talheres nas refeições



ensinando você a se vestir, amarrar os cadaos dos sapatos, fechar os botões da camisa



Limpando-o quando você sujava suas fraldas, lhe ensinando a lavar o rosto, a se banhar, a pentear seus cabelos


lhe ensinando valores humanos.



Por isso...



quando eles ficarem velhos um dia... e seria bom que todos pudessem chegar até aí (não preciso explicar, não é?)




quando eles começarem a ficar mais esquecidos e demorarem a responder...



não se chateie com eles...





quando eles começarem a esquecer de fechar botões da camisa, de amarrar cadarços de sapato...





quando eles começarem a se sujar nas refeições...



quando as mãos deles começarem a tremer enquanto penteiam cabelo...




por favor, não os apresse... porque você está crescendo aos poucos, e eles envelhecendo...






basta sua presença... sua paciência... sua generosidade... sua retribuição...





para que os corações deles fiquem aquecidos...




se um dia eles não conseguirem se equilibrar ou caminhar direito...



segure firme as mãos deles e os acompanhe bem devagar respeitando o ritmo deles durante a caminhada... da mesma forma como eles respeitaram o seu ritmo quando lhe ensinaram a andar...



fique perto deles... assim como...



eles sempre estiveram presentes em sua vida, sofrendo por você... torcendo por você...

e vivendo POR VOCÊ.




3 comentários:

  1. Laura, lindo e verdadeiro estas tirinhas. Aposentei e durante 8 anos convivi diariamente com minha mãe e estas coisas acontecem mesmo e foi super válido, pois custei para entender que minha mãe era de carne e osso, não era eterna fisicamente, mas tenho minha consciência tranquila que fiz tudo o que dava conta na época.Valeu a experiência e hoje tento colocar em prática comigo, o que foi doloroso para ela, como por exemplo: reeducação alimentar, diminuir o cigarro(nunca fumei, mas era fumante passiva) e tentava incentivá-la para que ela tivesse uma qualidade de vida melhor.Tudo foi super válido. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Maria, obrigada por compartilhar conosco sua experiência! Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. MARAVILHOSO !!!
    CELESTE

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...